Rodrigo Savazoni

Jornalista, escritor e realizador multimídia

Nuvem de tags

Tags

Arquivo

Arquivo


RUÍNAS E CONCHAS

Santos, 2016 Persigo minha poesia por uma faixa de areia cada dia mais estreita. – culpa das dragas, ela diz. As dragas comem areia, modorram ondas, entopem os canais de Saturno. – temos o porto, ela diz. Persigo minha poesia em muretas rompidas daquela orla boca banguela. – só ressaca, ela diz. O mar cospe… Continuar leitura

CÚMPLICES VARIATIONS

I De braços dados caminha o casal enamorado do real sentido da existência II Caminha o casal enamorado de braços dados com o real sentido da existência III O real sentido da existência caminha de braços dados ao casal enamorado IV Enamorado do real sentido da existência o casal caminha de braços dados

PAÇOQUINHA

(São Paulo, 2014) para Aloisio Milani Brasil… Mastigado na gostosura quente do amendoim… Falado numa língua curumim De palavras incertas num remeleixo melado melancólico… (Mário de Andrade) Mezzo beat Mezzo jeca Meu negócio é piquenique Toalha de chita quadriculada grama verde compota de goiaba suco de maçã bolo de cenoura pão com presunto paçoquinha. Mezzo… Continuar leitura

LEVEZA

(Santos, 2014) para Sérgio Cohn Poema cavalga uma ribanceira até encontrar leveza. Depois que encontra flutua vira pluma: espuma densa sobre curso d’água. E o rio não para.

GUARDADO

Tem um tipo de poema que nasce no guardanapo pula pro sulfite migra pro Moleskine até que, datilografado, vai parar na vala comum de um disco rígido: esse é o poema guardado.

AMANHECER

para Lia Rangel Eu iria à praia daqui a pouco apenas para escrever seu nome na areia, não fosse a certeza de que a praia será encoberta pelas águas em consequência do aquecimento global. A ideia do degelo das calotas polares deixa-me ensimesmado, imobilizado você diria, e exaspera-me o fato de a humanidade sucumbir a… Continuar leitura

BEM-VINDOS AO SARAU SAFADO

Este texto foi lido na abertura do Sarau Safado, no dia 9 de março de 2015, dia em que lancei o meu primeiro livro de poesia, “Poemas a uma mão”, que também conta com desenhos de Rafael Campos Rocha. São duas nobres artes: a poesia e a punheta. Ambas fruto da solidão humana. Ambas feitas… Continuar leitura

SUPÕE

Supõe que sou um tipo nostálgico, desses que acreditam que só nos anos 60 do século passado a balada era a boa, a grama verde e o sol dourado; Supõe que sou um tipo fascinado pelos velhos festivais, organizados colaborativamente, como rolava na Inglaterra desbundada (Ilha de Wight) ou nos Estados Unidos doidão (Woodstock); Supõe… Continuar leitura